volta a página principal volta a página principal
 
   

Perguntas Frequentes no Tratamento do
Pé Torto Congênito

A cirurgia "cura"o pé torto congênito?
A cirurgia não cura o pé torto. Ela melhora a aparência do pé mas diminui a força dos músculos do pé e da perna, causando rigidez a partir da segunda década de vida. Com isso, há redução da mobilidade das articulações dos pés, e estes podem tornar-se dolorosos ao longo da vida. A cirurgia não consegue evitar a recorrência da deformidade em alguns casos.
Há quanto tempo existe o tratamento de pé torto?
O pé torto tem sido tratado com manipulações, bandagens, órteses e gessos há vários séculos. A tenotomia percutânea de Achilis data da segunda metade do século 19; as cirurgias de liberação ampla dos pés tornaram-se populares nos últimos 50 anos. O tratamento pela técnica de Ponseti já tem mais de 30 anos, o os resultados desse tratamento estão publicados na literatura médica.
Quando se deve iniciar o tratamento conservador do pé torto congênito pela técnica de Ponseti?
Quando uma criança nasce com essa condição, um ortopedista treinado na técnica de Ponseti de manipulações seriadas e gesso deve ser contatado ainda nos 7 a 10 primeiros dias de vida.

Quantas manipulações e gessos seriados são necessários para corrigir a deformidade, quando esta é isolada, e não devida a quaisquer outras alterações neurológicas ou congênitas?
A maioria dos pés tortos podem ser corrigidos com manipulações seriadas e gessos, mas se a deformidade não é corrigida com cerca de 5 a 7 gessos, esse é um indício que o tratamento não será bem sucedido.

O que é metatarso aduto?
Essa deformidades são comumente confundidas com a deformidade do pé torto congênito. O metatarso aduto é uma deformidade apenas na parte média do pé, e tem um tratamento mais fácil que o é torto congênito. O pé nunca fica em eqüino (como o pé de bailarina, na ponta dos pés). Em alguns casos, corrige sozinho, mas em casos mais graves pode ser corrigido facilmente com 2 a 3 aplicações de gessos curtos (abaixo do joelho).
Alguns médicos acreditam que corrigiram pés tortos quando na realidade trataram pés metatarso adutos.
No que se baseia o tratamento da deformidade do pé torto congênito?
O tratamento com manipulações seriadas e gessos baseia-se nas propriedades inerentes ao tecido conectivo ( de conexão), cartilagens e ossos, que respondem a estímulos mecânicos criados para a redução gradual da deformidade. Os ligamentos, as cápsulas articulares e os tendões são alongados através de manipulações cuidadosas e indolores. Um gesso é aplicado após cada manipulação semanal para manter o grau de correção e o alongamento dos ligamentos. Os ossos mal-alinhados são gradualmente trazidos para o alinhamento correto e suas superfícies articulares remodelam progressivamente, mantendo sua congruência. Após 2 meses de manipulações e gessos, o pé aparenta uma leve hiper-correção. Após algumas semanas na órtese de Denis Browne, os pés adquirem aspecto normal.

As manipulações adequadas requerem o completo conhecimento da anatomia e da cinemáica ( estudo do movimento) tanto do pé normal como do pé torto congênito. Manipulações inadequadas podem piorar a deformidade do pé torto. O tratamento conservador tem maior chance de sucesso se realizado logo após o nascimento e se o ortopedista tiver conhecimento da deformidade e experiência na manipulação e confecção de gessos.
Como será o aspecto, na idade adulta, de um pé tratado pela técnica de Ponseti?
Em uma pessoa com pé torto congênito bilateral, o pé normal será discretamente maior (cerca de 1.3 cm) e mais largo (cerca de 0.4 cm) que o pé acometido. O comprimento das pernas será normal, mas a circunferência da perna do lado normal será maior (cerca de 2.3 cm).
Onde é possível se obter mais informações sobre a técnica Ponseti?
Dr Ignácio Ponseti explica em detalhes a técnica e descreve os resultados em seu livro Congenital Clubfoot. Fundamentals of Treatment (Oxford University Press), 1996.
Qual a incidência de pé torto em crianças cujos pais também são afetados?
Quando um dos pais tem pé torto, existe uma chance de 3 a 4 % dos filhos serem afetados. Se os dois forem afetados, a chance aumenta para 15%. A freqüência desse problema na população geral não afetada é cerca de 1 a cada 1000 crianças.
O uso da órtese de Denis Browne é necessário em todos os casos?
Sim. A órtese de Denis Browne objetiva impedir a recidiva e a perda da correção obtida com as manipulações e o gesso. A recidiva é comum, e freqüente, exigindo o controle por parte do ortopedista com muito critério, pelo menos até os seis anos de idade. Por isso, a órtese é utilizada pelo período de 3 meses, uso contínuo, e à noite por cerca de 3 anos. Este não tem sido um problema ou impedimento colocado pelos pais que seguiram a técnica.
A manipulação dói?
Não, a manipulação não dói; as manipulações e a confecção dos gessos são feitas em ambiente tranquilo, a criança fica confortável, as vezes até dorme.